Fiat Lux

Prece, upload feito originalmente por Jackson Carvalho.

No princípio criou Deus os céus e a terra.
E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas.
E disse Deus: Haja luz; e houve luz.
E viu Deus que era boa a luz; e fez Deus separação entre a luz e as trevas.
E Deus chamou à luz Dia; e às trevas chamou Noite. E foi a tarde e a manhã, o dia primeiro.

Gênesis 1-3.

E foi assim, com a compreensão da luz que o Senhor Deus iniciou a criação. Somente muitos séculos mais tarde o homem moderno foi capaz de compreender a luz como instrumento de arte, e com a junção das palavras gregas Fós, que significa “luz” e da palavra Grafis, que significa “pincel” criou a fotografia, ou o ato de “Pintar com a Luz”.

A primeira fotografia registrada, data de 1826, de autoria do francês Joseph Nicéphore Niépce, e desde então esta arte de imortalizar momentos não pára de evoluir.

Porém a fotografia que evolui incessantemente, tem na luz sua materia prima básica imutável. Novas técnicas e equipamentos buscam a melhor compreensão e formas de domar esta fonte energética que fundamenta a fotografia.

A luz, flui, “escorre”, retorna, reflete, se dispersa, se propaga. Compreender como se comporta a luz é indispensável para a obtenção de bons resultados fotográficos. Luz tem temperatura, como bem descobriu o físico-matemático e engenheiro britânico William Thomson, mais conhecido como Lord Kelvino, e que em sua homenagem, a temperatura de cor se mede em graus Kelvin.

O domínio da luz exige o respeito e a admissão de reflexos, brilhos e fundamentalmente, das sombras. É o equilíbrio do uso destes elementos influenciados e dimensionados pela luz que se obtém a boa fotografia.

Um simples retrato feito com uma simples e modesta camera doméstica pode ficar espetacular ou mediocre se a luz for compreendida. Nas fotos caseiras coisas comuns como ligar o flash em pleno meio dia não são levadas em conta. Você está em um parque de manhã, a tarde ou mesmo meio dia, e o fotografado está de costas para o sol? Liga o flash, o sol é luz principal sempre, porém a camera irá precisar de uma luz de preenchimento para deixar o rosto do fotografado “lindo” como ele o é.

Para realizar um bom retrato, é fundamental a correta e pertinente aplicação da luz. A luz pode ser a grande interlocutora da emoção que um retrato irá transmitir. Os bons retratos contam histórias, e a portavoz dessa história não é outra senão a iluminação. A fonte de luz pode ser natural entrando por uma janela, ou pela fresta de uma porta entreaberta. E pode ser também de um flash simples ou de um complexo conjunto de tochas de estúdio. Mas assim como a tinta é imprescindível para o pintor, a luz será sempre a matéria prima com a qual o fotógrafo irá pintar suas obras.

Afinal, Deus criou a Luz e tudo se fez vida. O Homem aprendeu a usar a luz, e com ela fez a fotografia. Fiat Lux.

 

Coluna Estúdio, Revista Conteúdo, edição número 3 – Setembro de 2011 – Jackson Carvalho – Colaborador da Revista

Anúncios

Sobre Jackson Carvalho
Sou um apaixonado pela fotografia; um amante da vida; um enamorado pela publicidade; encantado com a criatividade; um adorador do mundo;

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: